17/05/2022
spot_img
InícioNotíciasPesquisadores usam vídeos do Youtube para estudar mordidas de cachorro

Pesquisadores usam vídeos do Youtube para estudar mordidas de cachorro

Será que você é igual a mim? Usa o YouTube da mesma forma, para assistir a vídeos engraçados de cachorros e gatos?

No entanto, o YouTube pode ser benéfico para outros fins, que vão além do entretenimento.

Acredite! Pesquisadores investigaram mordidas de cães usando o YouTube.

Embora entender por que e como as mordidas de cachorro ocorrem seja fundamental para a saúde pública, sempre foi um assunto difícil de estudar.

Pesquisas anteriores sobre o assunto baseavam-se em relatos da vítima após a mordida ou em registros hospitalares.

No entanto, os vídeos do YouTube permitiram aos pesquisadores realizar estudos em tempo real sobre mordidas de cachorros.

Os pesquisadores da Universidade de Liverpool analisaram 143 vídeos enviados ao YouTube entre janeiro de 2016 e março de 2017 e foram descobertos por meio de pesquisas pelos termos “mordida de cachorro” e “ataque de cachorro”.

Eles analisaram o contexto das mordidas, as características da vítima e do cão e a gravidade da mordida após assistir aos vídeos.

Além disso, eles foram capazes de analisar o comportamento humano e canino anterior à mordida em 56 dos vídeos.

Leia também: Melhorar a vida de seu cachorro: veja 5 maneiras simples

As descobertas do estudo de mordida de cachorro

Suas descobertas são consistentes com estudos anteriores sobre mordidas de cães em termos de dados demográficos das vítimas e raças de cães envolvidas.

Cerca de sete em cada dez vítimas nos vídeos eram homens e mais da metade das mordidas ocorreram em bebês e crianças.

Chihuahuas, pastores alemães, pitbulls e labradores foram as raças de cães mais freqüentemente observadas.

Apenas a idade da vítima foi preditiva da gravidade da mordida; adultos foram mordidos mais severamente do que bebês, e bebês foram mordidos mais severamente que crianças.

Quando eles examinaram as circunstâncias em torno das mordidas, eles descobriram que tocar em um cão aumentava aproximadamente 20 segundos antes da mordida, assim como ficar em pé ou inclinado sobre um cão.

Veja ainda: Inédito no Brasil “IML veterinário” vai ajudar em crimes contra animais

Os pesquisadores reconhecem que o uso dos vídeos do YouTube pelos pesquisadores é tendencioso.

Por exemplo, as pessoas podem ter ficado mais dispostas a enviar vídeos de pequenas mordidas de cachorro que foram consideradas “cômicas”.

Conclusão

Embora este estudo tenha sido pequeno, o método de análise de mordidas de cães por meio de vídeo pode fornecer informações valiosas sobre o desenvolvimento de novas estratégias de prevenção de mordidas.

Compreender as circunstâncias que envolvem as mordidas de cachorro é fundamental para a prevenção, e assistir a vídeos no YouTube pode ser uma nova ferramenta para o avanço dessa pesquisa.

Veja ainda: Estudos mostram que mulheres dormem melhor com um cachorro ao lado

Rate this post
Renan Bernardihttps://cachorrolegal.com
Renan Bernardi é o tutor da cachorrinha "Laika". Também é jornalista e analista de conteúdos, formado em marketing pela EACH-USP, sendo uma das pessoas responsáveis por atualização de canais de comunicação do portal www.cachorrolegal.com. Renan integra o time de Marketing & Operações especializado em conteúdos sobre animais e outros assuntos relevantes, para todos os amantes do mundo pet.
ARTIGOS RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

DESTAQUES